A Terra no centro do universo

A conceção geocêntrica do Universo deve ser atribuída a Platão, embora fosse Aristóteles quem a consolidou e Eudoxo quem a dotou de um suporte matemático.

O modelo platónico pode resumir-se na existência de uma esfera enorme que rodeia o nosso planeta e fora aquilo a que vulgarmente se chama “o céu”. Esta esfera gira diariamente e, de forma independente, dá também uma volta em período anual. Como explicação da realidade, tem certamente a vantagem da simplicidade e da concordância aparente com aquilo que é possível apreciar a olho nu, sem outro espelho de medição que não sejam os nossos próprios sentidos.

O modelo de Aristóteles (384-322 a.C.) dominou durante cerca de dois ml anos depois de ter surgido. A sua conceção do cosmo baseava-se numa visão puramente filosófica. Para Aristóteles, o universo está dividido em duas partes, a região terrestre e a região celeste. Na primeira todos os seres são formados por uma combinação de quatro elementos: terra, fogo, ar e água. Pelo contrário, a parte do universo que está para lá da Lua, isto é, o Sol, os planetas e as estrelas, seria formada por uma quinta-essência: o éter.

Este éter seria uma substância pura, perfeita, claramente diferenciada dos elementos que formavam a Terra. O limite entre as duas regiões do cosmo era marcado pela Lua, de tal forma que a região terrestre devia ser chamada “sublunar” e os céus recebiam o nome de região “supralunar”. A Lua na fronteira entre ambas as zonas, era formada por essa quinta-essência, mas contaminada pela sua proximidade ao nosso planeta.

De uma perspetiva dinâmica, o estado de repouso seria conatural com a região sublunar, enquanto a região supralunar devia estar em movimento, seguindo trajetórias perfeitas, ou seja, circulares, dado que a circunferência e a esfera são figuras geométricas que encarnavam a perfeição para Aristóteles. O Sol, a Lua, as “estrelas errantes” (os planetas) e as estrelas fixas estariam encerrados e esferas de cristal compostas de éter, sem separação entre si. Numa ordem que ia da Lua às estrelas fixas, estas esferas integravam-se umas nas outras de maneira homocêntrica (ou seja, com os mesmo centro).

Escola de Atenas

Foto – A Escola de Atenas (Vaticano) . Ptolemeu, astrónomo e geógrafo, achava que a Terra era o centro do universo. Tem nas mãos o globo terrestre. Uma das obras mais conhecidas do pintor renascentista Rafael Sanzio, “Causarum cognitio”, mais conhecida como “A Escola de Atenas”, desde o século XVII, é um dos frescos mais famosos do período renascentista. Este fresco, encomendado pelo Papa Júlio II, é constituído por quatro painéis que representam a Stanza  della segnatura, local dentro do Vaticano onde o sumo pontífice despachava. A Escola de Atenas ilustra a Academia de Platão, contudo os filósofos que surgem representados identificam-se com épocas distintas, mostrando a continuidade histórica do pensamento filosófico.

No século II, Ptomeleu encontrou uma solução alternativa brilhante que permitia explicar com maior precisão os movimentos observados. Introduziu na sua conceção um modelo complexo de esferas combinadas. Além disso, postulou que, embora todos os restantes astros se movessem e redor do nosso planeta, o seu centro real seria um ponto externo à Terra. O Sol, a Lua e todos os planetas giravam sobre esse ponto com velocidade uniforme e órbitas circulares. Na realidade, o sistema ptolemaico não era geocêntrico como o de Aristóteles (a Terra no centro do universo) mas sim geostático (a Terra imóvel e os planetas a girarem à volta do equante). Esta teoria não contradizia as ideias aristotélicas. Complementava-as como uma espécie de artifício geométrico que conciliava a visão filosófica do universo com os dados experimentais.

Nota: Equante (ou punctum aequans) é um conceito matemático desenvolvido por Cláudio Ptolemeuno século II para descrever o movimento observado de corpos celestes.

Fonte: Texto adaptado de :Copérnico, o Heliocentrismo (Edição Especial) – National Geographic

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: