Braga – Cidades de informação geológica

Uma viagem ao Magmatismo e ao  Barroco de Braga. Entre os recursos geológicos e o património cultural.

O concelho de Braga localiza-se em pleno Minho, no noroeste de Portugal.

As rochas estiveram desde sempre ligadas ao património cultural, como blocos de alvenaria ou elementos decorativos diversos, integrados em edificações ou isolados. Neste post alguns dos aspetos da relação entre os estudos geológicos e o património cultural estão ilustrados.

As rochas utilizadas no património traduzem relações entre esses recursos geológicos e tendências culturais, acompanhando evoluções históricas. Nas obras mais antigas dominam os recursos locais, dada a grande importância dos processos de transporte. Consequentemente, certos objetos podem representar situações de elevado interesse histórico pelo contraste geológico com o enquadramento local, funcionando, tal como as moedas e as cerâmicas, como indicadores de movimentos de importação. Existe uma pasta que pode ser consultada para estes recursos geológicos globais (pode ser consultada a pasta geral aqui). Procuro aqui apenas dar relevo ao chamado “granito de Braga”, apesar de não serem todos os monumentos construidos com o granito escuro de Braga. Aliás na cidade de Braga é possível reconhecer a presença de outros granitos (diferentes do chamado “granito de Braga”), merecendo destaque a presença de certos granitos muito claros, Foto 1, (contrastando com o tal granito de Braga, mais escuro, acinzentado ou amarelado.

Igreja do Carmo Granito (Braga)

Foto 1 – Visão geral da fachada principal da Igreja do Carmo construída com um material granítico muito claro. Estes granitos mais claros são semelhantes a rochas que ocorrem fora da zona da cidade de Braga.

Contexto Geológico

As rochas granitóides são as que têm maior representação no concelho de Braga e estão associadas à orogenia varisca, nomeadamente a uma das últimas fases de deformação dúctil-3 (D3) distribuindo-se em faixas grosseiramente paralelas à zona de cisalhamento Vigo-Régua.

Apresentam fácies variadas,  Figura 1,  e associam-se, por vezes, a rochas de composição intermédia a básica. Podemos, então, distinguir granitos de duas micas, leucogranitos, granitos biotíticos e granodioritos, sendo dominantes os granitos essencialmente biotíticos porfiróides. Viajar no Barroco de Braga é uma viagem ao magmatismo da Orogenia Varisca nas últimas fases do chamado Ciclo de Wilson.

Granito de Braga

Figura 1 – Carta geológica simplificada de Braga. Os granitóides variscos na Zona Centro Ibérica podem ser classificados em dois grandes grupos: granitóides sin-tectónicos e granitóides tardi-pós-tectónicos. Na zona de Braga os granitos tardi-pós-tectónicos estão representados por tardi (Complexo Granítico de Celeirós – que engloba os Granitos de Celeirós e Vieira do Minho e os Granodioritos de Figueiredo; Complexo Granítico da Póvoa de Lanhoso – constituído pelos Granitos de Agrela e de Pousadela; o Complexo Granítico de Braga – de que fazem parte o Granito de Gonça, o Granito de Braga e rochas de composição gabro-grano-diorítica, considerando-se de 310-305 Ma a idade da sua instalação) e pós-tectónicos com aproximadamente 300 Ma (Granito de Briteiros).

Os granitos tardi-pós-tectónicos (Granito de Braga) são caracterizados por intrusões de dimensões batolíticas de granito porfiróide de grão médio a grosseiro biotítico ou por pequenos corpos básicos e intermédios. Ocorrem encraves microgranulares máficos, Foto1, com zonas de mistura de magmas. Ausência de deformação e foliação de fluxo magmático concordante com contactos são outra das características destes granitóides.

Granito (Braga)-34

Foto 1 – Granito biotítico, com rara moscovite, porfiróide ou de tendência porfiróide e de grão médio a fino. Os minerais essenciais são o quartzo, a biotite e o feldspato, apresentando-se este último sob a forma de megacristais. A cor cinzenta azulada é devida ao elevado teor em biotite, que se estima visualmente entre 15 e 20 %. Para além de quartzo, feldspato e biotite podem ser encontrados outros minerais, como zircão, ilmenite, moscovite, epídoto, torite e uraninite. O granito de Braga apresenta encraves microgranulares máficos, com dimensão variável entre 2 a 30 cm e forma circular, elíptica ou ovalada.

Os encraves microgranulares máficos, Foto 1,  revelam composição minerológica diferente da dos granitos hospedeiros, mas em que a biotite é o único máfico presente. Estes dados apoiam a hipótese de que os encraves resultaram de um magma com composição distinta (mais máfica) do magma que originou os granitos hospedeiros. Assim, a hipótese mais provável é a de que os granitos de Braga terão uma origem ígnea que resultou da cristalização de dois magmas associados, o magma granítico e outro máfico, Figura 2. Os encraves microgranulares representarão “gotas” de magma máfico transportadas pelos líquidos graníticos aquando da sua ascenção para níveis superiores da crosta.

Granito (Braga)-32

Sem Título-4

Foto 2 e Figura 2 – Presença de xenólitos migmatíticos e possível interpretação do processo de hibridização de magmas.  A migmatização dos níveis crustais profundos terá ocorrido durante o adelgaçamento crustal durante a Fase extencional D2 (335Ma). A ascensão dos granitóides (granito de Braga) terá ocorrido durante o estádio final do regie transcorrente atingindo o seu nível de instalação após D3.

 

Um passeio pelos monumentos da cidade de Braga permitem através da observação do património compreender  as relações entre os recursos geológicos e tendências culturais, acompanhando evoluções históricas.

Para consultar o álbum clique aqui.

Fontes consultadas:

https://www.researchgate.net/publication/284760616_Origem_e_instalacao_de_granitoides_variscos_na_Zona_Centro-Iberica

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1342937X05707334

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/002449379490040X

https://www.researchgate.net/publication/229305184_U-Pb_zircon_and_monazite_geochronology_of_post-collisional_Hercynian_granitoids_from_the_Central_Iberian_Zone_Northern_Portugal

https://www.researchgate.net/publication/234447957_Variscan_calc-alkaline_plutonism_in_Iberia_Northern_Portugal_petrogenesis_and_distribution_in_space_and_time

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: