Parque Nacional de Calanques

A história da Terra está escrita nas suas rochas, as quais fornecem indícios de acontecimentos de um passado distante, pistas sobre a origem das rochas que afloram no Cabo Croisette (Parque Nacional de Calanques), a sul da cidade francesa de Marselha.

Mesozoico

Há uns 250 milhões de anos o supercontinente Pangea começou a fraturar. Toda esta região durante o Mesozoico correspondia a uma bacia e sedimentação do Mar de Tétis.  Este “mar” foi o percursor do atual Mar Mediterrâneo.

Parte dos sedimentos depositados nesta bacia correspondem aos calcários que afloram no Cabo Croisette. Nas rochas que afloram neste maciço, Foto 1, encontram-se vestígios de Rudistas. Estes são um grupo de lamelibrânquios (Moluscos cuja concha consistia em duas partes) extinto, que viveram no tempo dos Dinossáurios. Eram frequentes em ambientes tropicais, pouco profundos como os existentes na região do Mar de Tétis (percursor da atual região mediterrânea) durante o período de tempo do Jurássico Superior ao Cretácico (160 a 66 Ma).

Parc national des Calanques capa (Marseille)-2

Foto 1 – O maciço Marseilleveyre é formado por calcários (calcarenitos com rudistas de fácies urgoniana de idade cretácica (inferior). Os sedimentos terão sido depositados há aproximadamente 110 – 120 milhões de anos.

Estes fragmentos, Foto 2, terão sido transportados de um “banco de rudistas” localizado mais a este e misturados nesta região da bacia com a vasa carbonatada.  A interpretação das sequências de estratos, de estruturas e o conteúdo fossilífero permitiu aos geólogos desvendar aspetos da história geológica, nomeadamente, sobre as condições  ambientais reinantes aquando da sua formação, isto é, sobre o seu paleoambiente. Os rudistas podem ser considerados fósseis de fácies e fósseis de idade uma vez que permitem caracterizar os ambientes do Mar Tétis durante o Jurássico Superior e Cretácico Superior e indicarem a idade geológica dos estratos onde são encontrados.

Rudistas

 

Foto 2 – Na zona do Cabo Croisette podem observar-se calcários com fragmentos de rudistas transportados durante as tempestades e depositados na vasa carbonatada depositada nos fundos da bacia de sedimentação.

Cenozoico

No final do Cretácico, a abertura do Atlântico sul implicou a deriva da placa Africana para norte e a mudança da trajetória da microplaca Ibéria, formando a cadeia montanhosa que hoje liga a Península Ibérica ao continente europeu, os Pirenéus. Esta movimentação da placa africana esteve também na origem da formação da Cadeia Alpina. O sudeste do território francês foi assim empurrado devido à colisão com a placa Ibéria para norte e todos estes sedimentos litificados que constituem o Cabo Croisette foram deformados  e posteriormente exumados durante o Cenozoico, Foto 3.

Parc national des Calanques (Marseille)-18

Foto 3 –  Durante o Cenozoico, mais concretamente no Paleogénico (na transição Eocénico-Oligocénico) ocorre a primeira fase compressiva (Fase Pirenaica) da Orogenia Alpina. Durante esta fase ocorre a deformação das séries sedimentares formadas durante o final do Mesozoico. A deformação observada nos estratos que afloram no Cabo Croisette terá decorrido entre os 38  e 28 milhões de anos.

Modelado Cársico

A água desempenha um papel essencial na dinâmica terrestre. À superfície, por ação dos agentes da geodinâmica externa, os minerais das rochas transformam-se, originando outros minerais, hidratados. A presença desta água e as condições de temperatura vão permitir transformações geomorfológicas características destas regiões calcárias – modelado cársico.  Nas regiões calcárias ocorrem com frequência fenómenos de dissolução, evidenciados nas redes de diáclases, mais ou menos profundas e extensas. Junto a estes sulcos, encontram-se, em geral, depósitos argilosos. Pelas diáclases, infiltram-se facilmente  águas de escorrência que, se forem ácidas, vão alargando o tamanho dessas fendas. Em consequência deste processo, formaram-se no maciço calcário de Calanques, em profundidade, túneis e cavernas de grandes dimensões, vulgarmente designados por grutas. Este processo descrito – carsificação – ocorreu num período de tempo em que o nível médio as águas do jovem Mar Mediterrâneo era baixo. Durante o processo de enchimento do Mediterrâneo a subida do nível do mar submergiu grande parte deste relevo, que pode agora ser visitado através de mergulho subaquático.

Álbum do Parque Nacional de Caranques pode ser consultado aqui.

 Fontes:

Hydrologie et géologie

https://fr.wikipedia.org/wiki/Massif_de_Marseilleveyre

Click to access Chartreuse.pdf

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: