Vale de Compadre (Gerês)

O Parque Nacional da Peneda do Gerês (PNPG) localiza-se no Noroeste de Portugal. Em termos geomorfológicos, a área do PNPG enquadra-se no prolongamento para Sudoeste da cadeia montanhosa Galaico-Leonesa e engloba três serras principais: Peneda, Amarela e Gerês. Estas serras são caracterizadas por um relevo vigoroso, possuindo vales muito profundos e vertentes abruptas e pequenos níveis de aplanamento. Estas serras estão estruturadas essencialmente em granitóides de várias gerações, origens, composições e modos de instalação, relacionadas essencialmente com a 3º fase da Orogenia Varisca (D3), Foto 1.

Vale de Compadre (PNPG)

Foto 1 – Compadre (Serra do Gerês). Na parte oriental da Serra do Gerês (vale de Compadre) ocorrem dos vestígios glaciários mais evidentes nas montanhas do Minho, nomeadamente um campo de moreias. As moreias são acumulações de sedimentos transportados pelo glaciar.

Uma das características geomorfológicas principais associadas à ocorrência do granito do Gerês é a existência de geoformas de grande dimensão que constituem um dos principais elementos da paisagem do PNPG. Durante o Quaternário (Cenozóico), as temperaturas atmosféricas têm variado em ciclos de dezenas de milhares de anos, alternando períodos frios com mais quentes. Nestes períodos mais frios a cobertura de gelo das regiões polares desceu para latitudes mais baixas e as montanhas mais altas foram cobertas por glaciares.

Na Serra do Gerês ocorrem formas de relevo e sedimentos que testemunham os episódios de glaciação que afetaram as montanhas do Norte de Portugal nas últimas centenas de milhares de anos. No vale de Compadre, situado no setor oriental da serra, é possível observar acumulações de blocos graníticos designadas por moreias, Foto 2 originadas pelo movimento dos glaciares. Destaca-se a moreia lateral de Compadre, a mais extensa do Norte de Portugal, com cerca de 1 km. Noutros setores do vale ocorrem sedimentos (till subglaciário) que permitem estimar uma espessura de gelo de cerva de 150 m, durante o máximo da glaciação.

Compadre (Gerês)-30

Foto 2 –  Moreia lateral (Vale do Compadre). As acumulções de sedimentos transportados pelo glaciar caracterizam-se por serem de diferente granulometria (dos blocos às argilas) e por não apresentarem estratificação. Dependendo da localização onde o material se deposita (moreia), podem ser: frontal, terminal, fundo, lateral e mediana.  moreia lateral  forma-se nos lados do glaciar, na proximidade das vertentes, por incorporação do material que sofreu abrasão ou que foi fragmentado pelos ciclos de gelo e degelo da água.

A identificação das áreas onde terão ocorrido processos glaciários nas serras do PNPG é suportada pela existência de macro-estruturas, polimentos, estrias e geoformas de acumulação. Os melhores indicadores da glaciação são os depósitos glaciários (till), Foto 3.

Moreia (Gerês)-2

Foto 3 –  “Till” na Ponte do Rio Homem (Serra do Gerês). O material transportdo pelos glaciares pode ser depositado sob a forma de moreias (Till). Estas são formadas por material não consolidado, mal calibrado (composto por material de diferente granulometria) e muito anguloso designado por till. Quando aquele material consolida forma tilitos, que constituem uma das principais evidências da ocorrência de glaciações num passado remoto.

Na área do PNPG é a Serra do Gerês onde ocorre o maior número e vestígios glaciários. Os glaciares correspondem a massas de gelo que se movimentam, ou que possuem indícios de já se terem movimentado, sob o efeito da gravidade. Durante os períodos glaciários (glaciações) ocorre um decréscimo da temperatura média, causando um aumento das áreas cobertas de gelo.

Os principais vestígios da glaciação Würm, que teve o pico máximo em Portugal há cerca de 18000 a 20000 anos, encontram-se na Serra da Estrela e na Serra do Gerês. Os vestígios glaciares encontram-se em Portugal e a noroeste de Espanha. Uma visita ao PNPG podem assim ser observados diversos vestígios glaciários, com especial destaque para da dimensão e configuração de moreias presentes no vale de Compadre e outros aspectos geomorfológicos deste período de glaciação.

Geomorfologia de Glaciares pode ser consultada no link.

2 thoughts on “Vale de Compadre (Gerês)

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: