Glossário de estratigrafia

“Procurar reconstruir a História da Terra através do estabelecimento de uma sucessão cronológica de acontecimentos.”

A Serra do Marão constitui um dos relevos mais imponentes do Norte de Portugal. É constituída essencialmente por rochas metassedimentares provenientes de sedimentos depositados pelos grandes rios do Paleozoico nos mares e oceanos desse tempo. Devido ao dinamismo da Tectónica das Placas, esses mares e oceanos fecharam-se e os materiais que se acumularam ao longo das suas margens e fundos foram comprimidos deformados e transformados num processo que conduziu a formação de uma cadeia orogénica, a Cadeia Varisca da qual fazem parte as Formações que podem ser visitadas na Serra do Marão.

A datação dos principais acontecimentos que ocorreram no passado da Terra é um aspeto essencial para elaborar escalas, baseadas em propriedades litológicas, paleontológicas ou magnéticas das rochas, minerais e fósseis. São de enorme importância a elaboração das cartas geológicas como documentos científicos e técnicos fundamentais para um melhor planeamento do território, Foto 1.

figura 1

Foto 1 – Carta Geológica da Serra do Marão (A) e entrada nascente do Túnel do Marão (B). Os estudos geológicos realizados (e elaboração das cartas geológicas) são fundamentais no planeamento destas estruturas. As cartas geológicas são representações hipotéticas e bidimensionais de uma realidade complexa. O conhecimento de símbolos e das regras utilizados na sua construção permite fazer a reconstrução de ambientes geológicos em termos de tempo e de espaço tridimensional.

Estratigrafia

A estratigrafia tem como objectivo organizar o conhecimento geológico através da caracterização de um conjunto de materiais geológicos, nomeadamente sedimentares, com as suas abrangências verticais e laterais, procurando em simultâneo estabelecer relações geológicas entre diferentes regiões, com vista à reconstituição de uma história geológica, local, regional e global.

Faz parte da Estratigrafia:

  • Biostratigrafia – estuda a distribuição temporal de fósseis através do registo estratigráfico.
  • Cronostratigrafia (Geocronologia) – ramo da estratigrafia que estabelece a idade das unidades estratigráficas procurando estabelecer uma escala estratigráfica de valor mundial.
  • Magnetostratigrafia – ramo que estabelece a escala de mudanças do campo magnético terrestre ao longo da história da Terra.
  • Litostratigrafia é uma subdisciplina que estuda a composição litológica dos estratos.

Litostratigrafia      

É um ramo da estratigrafia que lida com a descrição e a nomenclatura das rochas de acordo com a sua composição litológica e as suas relações estratigráficas. A litoestratigrafia utiliza “relógios” estratigráficos, Foto 2, no estudo das camadas rochosas que compõem os estratos.

A unidade litoestratigráfica corresponde a conjuntos de rochas que são definidas e reconhecidas de acordo com as características litológicas e relações estratigráficas. Estas unidades são formadas por estratos individualizados e definidos de acordo com as suas propriedades litológicas independentemente da idade. Podem definir-se diversas unidades litostratigráficas sendo a Formação a unidade fundamental.

p2

Foto 2 – O estabelecimento de unidades litostratigráficas pretende obter uma estabilidade nomenclatura para a posterior realização de interpretações paleoambientais e correlações estratigráficas com sucessões contemporâneas conhecidas e descritas em diferentes regiões na Terra.

Camada – corpo rochoso tabular limitado por duas superfícies aproximadamente paralelas. Estas superfícies, definindo juntas de estratificação, resultam de variações ou descontinuidades na natureza e na dimensão dos materiais depositados. As camadas, também referidas por estratos, bancos ou bancadas, são comuns nas rochas sedimentares e vulcânicas, Foto 3.

foto 3

Foto 3Alternância de leitos finos leitos metapsamíticos (de cor esbranquiçada) e filitos (de cor cinzenta). O aspecto listrado e estruturas associadas resultam da ação de correntes turbidíticas (correntes submarinas com uma carga sólida importante e constituída por argilas ou lamas, siltes e por vezes areias). Nas camadas e estratos é possível observar uma estratificação gradada, indicadora de variações de energia do meio. As correntes de turbidez transportam uma mistura de sedimentos que ao sedimentarem formam uma sequência gradada designada por turbidito. Na Serra do Marão a Formação de Desejosa de idade Câmbrica pertence ao Grupo do Douro (designada impropriamente por Complexo Xisto-Grauváquico) é um vestígio de mares com profundidades consideráveis cuja idade remota há mais de 500 Ma.

Membro – Unidade estratigráfica hierarquicamente abaixo da Formação e acima da Camada, constituída por um conjunto bem definido de camadas, Foto 4.

fragas de ermida 23

Foto 4 – Membro Fragas de Ermida (Serra do Marão) constituído pela alternância de leitos decimétricos de filitos (rocha metamórfica foliada de grão fino a médio, tendo as micas alinhadas o que lhe confere um brilho baço) e psamitos (rocha metamórfica derivada de um arenito) dando à unidade um aspecto bandado. Os leitos bem definidos, apresentam frequentes variações laterias e espessuras. O aspecto bandado, mais marcado no topo, associa-se a uma fácies turbidítica revelando um aumento gradual do nível do mar.

Formação – é a unidade litostratigráfica fundamental. Formada por um conjunto de rochas com propriedades litológicas e posição estratigráfica semelhantes que é facilmente distinguível das restantes. Deve ser suficientemente ampla para que possa ser detetada e cartografada nos mapas da região.

Estratotipo – A definição de uma formação, de um membro ou de uma camada implica sempre a definição de um estratotipo, com teto e muro devidamente localizados. A sucessão de camadas deve apresentar características bem específicas e evidentes, bem delimitadas de forma a permitirem servir de referência quando comparadas com outras unidades, do mesmo intervalo de tempo.

Grupo – dividem-se em Formações.

Complexo – unidade constituída por diversos tipos de uma ou várias categorias de rochas (sedimentares, ígneas e metamórficas) em que a estrutura é tão complicada que a sucessão original dessas rochas não é decifrável.  Exemplo: Complexo Metamórfico da Foz do Douro.

O planeta Terra é um lugar singular no nosso Sistema Solar. Nenhum outro planeta conhecido possui condições favoráveis à vida. A Geologia é a ciência que estuda a Terra sob diferentes aspectos: como surgiu, que processos estiveram envolvidos na sua evolução e que factores estão subjacentes à sua dinâmica interna e externa são alguns, entre muitos outros, objectos da investigação realizada por esta ciência.

Deste modo, certos ramos da Geologia, como a paleontologia e a estratigrafia, permitem que o Homem compreenda a História da Terra e da Vida ao longo do tempo geológico, quer a nível global quer ao nível da região em diariamente desenvolvemos as nossas atividades.

A Estratigrafia tem como objectivo o estudo, a descrição dos estratos ou camadas e o seu posicionamento relativo, espácio-temporal. Neste estudo são tidas em consideração as condições de formação das rochas sedimentares, através do seu conteúdo fóssil e composição litológica. Os geólogos, aplicando alguns princípios básicos deste ramo da Geologia, interpretam os dados registados nas rochas, procurando reconstituir a História da biosfera e da geosfera numa determinada região.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: