Granodiorito de Mosteirinhos (Viseu)

O granodiorito biotítico tardi-pós-D3 de Mosteirinhos aflora ao longo duma faixa situada no bordo noroeste do maciço de Cota-Viseu, com o qual define contactos transicionais, Foto 1.

Granodiorito de Mosteirinhos (Paragem 2)

Foto 1  –  Afloramento do granodiorito de Mosteirinhos (Viseu). Corresponde a uma rocha porfiróide de composição granodiorítica, sem evidências de deformação no estado sólido.

Esta fácies, em conjunto com outros corpos intrusivos composicionalmente heterogéneos (básicos a intermédios) que ocorrem na periferia do maciço de Cota-Viseu, parece representar uma rocha híbrida gerada por mistura de magmas máficos de proveniência mantélica com fundidos félsicos de origem crustal.

Neste afloramento, o granodiorito biotítico de Mosteirinhos apresenta megacristais de feldspato dispersos numa matriz de grão médio, definindo uma foliação de fluxo magmático, Foto 2.

Granodiorito de Mosteirinhos B.jpg

Foto 2 – O granodiorito de Mosteirinhos apresenta características texturais e mineralógicas muito semelhantes às do granito de Cota-Viseu, distinguindo-se deste pelas maiores proporções de plagioclase e pelo seu conteúdo mais elevado em minerais máficos (biotite). Possui uma textura fanerítica, porfiróide, de grão médio a grosseiro e é constituído por quartzo, plagioclase, feldspato potássico, biotite, apatite, zircão, opacos, esfena, alanite, clorite (secundária) e moscovite (secundária), dados obtidos a partir da observação em microscópio petrográfico. O quartzo é um dos minerais mais abundantes neste granito, sendo a plagioclase um constituinte mineral essencial do granodiorito de Mosteirinhos.

O elevado grau de heterogeneidade textural do granodiorito de Mosteirinhos, bem como a presença de abundantes encraves microgranulares máficos com formas globulares, mostra que estes magmas foram afectados por processos de “mixing /mingling” de intensidade variável (consultar post neste link).

A presença de rochas com composições dominantemente granodioríticas e monzograníticas, associadas a termos mais básicos (gabros, dioritos, monzodioritos, tonalitos) é típica de associações magmáticas híbridas, formadas pela interacção física e química entre líquidos máficos de origem mantélica e fundidos félsicos de anatexia crustal em ambientes orogénicos colisionais.

Bibliografia consultada:

Azevedo, M.R., Valle Aguado, B. & Nolan, J. (2013). Anatexis of metasedimentary rocks in the Iberian Variscan Bel: the example of the Mundão migmatites (Northern Central Portugal). Abstract Volume of the European Mineralogical Conference, EMC2012, Franckfurt, Germany, 02 a 06 de Setembro, vol. 1.

One thought on “Granodiorito de Mosteirinhos (Viseu)

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: