Glaciares

Os glaciares correspondem a massas de gelo, que se movimentam, ou que possuem indícios de já se terem movimentado, sob o efeito da gravidade. A maioria dos glaciares desloca-se a uma velocidade reduzida e ocupam aproximadamente 10% da superfície terrestre atual.

Podem ser de vários tipos:

Glaciar de Vale (Alpino)

Formam-se em regiões montanhosas e ocupam vales preexistentes. Podem possuir espessuras   na ordem das centenas de metros, Foto 1.

Nas latitudes baixas (próximas do equador) ocupam apenas as secções mais altas dos vales, enquanto que nas regiões mais frias e próximas dos polos podem iniciar-se nas montanhas e espalham-se ao longo de dezenas de quilómetros para as regiões mais planas e por vezes próximas dos oceanos.

Glaciar de Vale .jpg

Foto 1 – Fjord “La Ultima Esperanza – Chile”. Os glaciares contêm cerca 2% de toda a água na Terra. Embora este valor não seja elevado, é nos glaciares que se encontra a maioria da água doce.

Glaciares Continentais (Calotes Polares ou Inlandsis)

São grandes massas de gelo que cobrem permanentemente, e quase por completo, o relevo sobre o qual se depositaram. Por vezes, na periferia destes continentes, em zonas mais inclinadas, desprendem-se grandes massas de gelo que atingem o mar, ficando a flutuar, originando os icebergues, Foto 2.

Transformação de cristais de neve em gelo glaciar.jpg

Foto 2 – A maioria da neve que se forma na atmosfera possui uma estrutura cristalina hexagonal. A acumulação em espessos mantos provoca a sua compactação e aumento da densidade, reduzindo a percentagem de ar entre os cristais. Estes tornam-se mais esféricos formando o gelo glaciar.

Em regiões com precipitação intensa, a neve pode converter-se em gelo glacia,r em apenas alguns anos. No caso dos glaciares de vale, Foto 3, a neve acumula-se nas cotas elevadas, convertendo-se em gelo na zona de acumulação. A acumulação de neve e gelo provocam o aumento da pressão, que a força da deslocação do glaciar ao longo do vale, de acordo com a gravidade.

Crevasses

Foto 3 (A) As torrentes subglaciares são cursos de água, resultante do degelo do glaciar, que pode transportar sedimentos em suspensão (conferem tonalidade leitosa). Com o movimento, o glaciar provoca a erosão das rochas e sofre fraturação. (B) Crevasses – Fratura do gelo perto da superfície, resultante de tensões que se geram durante a deslocação do glaciar.

Erosão e relevo glaciar

Os glaciares são importantes agentes erosivos, transportando elevadas quantidades de sedimentos de diferentes granulometrias.

Devido à ação da gravidade, os glaciares deslocam-se desde as zonas de acumulação até aos locais de ablação (zonas onde se verifica o seu desgaste). Nesta zona, o corpo glaciar pode desaparecer como resultado da fusão, da evaporação ou da fragmentação de blocos de gelo (icebergues), Foto 4.

aas

 

Foto 4  – O material transportado pelos glaciares pode ser depositado sob a forma de moreias. As moreias correspondem à acumulação de sedimentos transportados pelo glaciar (H,F e G). Caracterizam-se por serem de diferente granulometria (dos blocos às argilas) e por não apresentarem estratificação.

As moreias (ver post aqui) são formadas por material não consolidado e mal calibrado (composto por materiais de diferente granulometria) e muito anguloso, designado por till. Quando aquele material consolida forma tilitos que constituem uma das principais evidências da ocorrência de glaciações num passado remoto (ver post aqui).

A remoção de blocos das paredes dos vales, alguns de elevadas dimensões, que são triturados e transportados, por vezes, para longas distâncias, designam-se blocos erráticos. Os blocos são consequência da água que se infiltra nas fendas, e sofrendo ciclos de gelo e degelo, fragmenta as rochas. Por outro lado, a abrasão das rochas, causada pela fricção do gelo e fragmentos de rocha transportados pelo gelo, são responsáveis pelo polimento e formação de estrias e sulcos no substrato. O material rochoso é assim triturado, formando sedimentos de grão fino que são transportados em suspensão pela água do degelo, Foto 3, conferindo-lhes tom leitoso. As rochas estriadas fornecem indícios sobre o movimento e são uma das principais evidências da presença de glaciares no passado. A abrasão e o polimento pelo glaciar podem formar rochas aborregadas, que são polidas no lado menos inclinado e fragmentados na secção mais inclinada, formando uma superfície rugosa .

Os glaciares são assim importantes agentes erosivos. Não existe nenhum glaciar atual em Portugal, mas é possível encontrar vestígios da sua presença (ver post aqui).

Os vestígios deixados pela atividade dos glaciares são importantes para caracterizar as glaciações e os períodos interglaciários. Nos primeiros, a acumulação do gelo levou ao abaixamento do nível médio da água do mar – regressão marinha. Nos segundos provocou a subida do nível médio da água – transgressões marinhas.

Powerpoint utilizado na aula (Geologia 12)

Geopark Estrela 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: